Existe felicidade na segunda-feira

Hoje é segunda feira e a grande novidade é que eu tô radiante. Depois de vários anos, descobri que é possível ser feliz numa segunda feira.

Radiante porque domingo foi um dia prazeroso e o fim de tarde dele não me trouxe qualquer incômodo ou depressão por temor à santa rotina do dia seguinte.

Radiante porque acordei cedo e fui fazer o que me dá muito prazer. Com tranquilidade e sem afobação para sair e chegar no horário em algum lugar e começar a fazer aquilo que não faz o menor sentido pra mim por, com sorte, oito horas seguidas do meu dia.

Radiante porque pude cuidar da casa, mastigar trinta vezes o meu café da manhã, sem ter que sair tropeçando em tudo, deixando de focar no que eu estava fazendo e esquecer mil coisas depois de já ter saído de casa.

Radiante porque saí de casa no horário que rolou e meu coração não disparou quando vi ¨11h10¨ na tela do celular.

Radiante porque sou dona do meu tempo e eu tenho tanta coisa legal pra sugerir a ele, para fazermos juntinhos.

Radiante porque pude ir trabalhar a pé, de sapatinho baixo (de tênis ainda não tive culhões) e uma roupa confortável.

Radiante porque sentei aqui e comecei a fazer o que mais gosto de fazer.

Radiante porque posso, até que enfim, ser quem eu sou e doar (ou ao menos tentar) o que eu tenho de melhor.

Radiante porque não preciso atuar para parecer ser uma pessoa que eu não sou.

Radiante porque estou disponível para o que realmente interessa.

Radiante porque seguir o coração é uma opção e não há outra alternativa pra ser radiante que não dar ouvidos a ele.